Universidades com processos seletivos abertos durante todo o ano para cursos de graduação

A Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) possuem processos seletivos abertos todo o ano para que pessoas refugiadas ingressem em cursos de graduação.

Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Localizada na cidade de Campinas, São Paulo, a UNICAMP oferece durante todo o ano a oportunidade da pessoa refugiada se candidatar para um curso de graduação. Para se candidatar, é necessário que a pessoa refugiada já tenha obtido o status reconhecido pelo Conare e desde que apresentem todos os documentos listados no site.

Após a solicitação ser protocolada no Atendimento da DAC, a documentação entregue será analisada por uma Comissão de Avaliação instituída pelo Gabinete do Reitor e publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo (DOESP). Em caso de deferimento (aceitação) da solicitação, a DAC entrará em contato com o requerente para informar sobre os procedimentos da matrícula.

Atenção: Não será permitido dar entrada na solicitação de vaga apenas com o protocolo de solicitação de visto de refúgio, devendo o requerente aguardar até a conclusão de sua solicitação pelo Conare.

Não existem vagas garantidas para pessoas com status de Refúgio. A concessão da vaga dependerá da análise da documentação entregue pela Comissão instituída e do limite máximo de estudantes que cada curso permite.

Para mais informações, acesse o site.

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Localizada na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, a UFSM oferece durante todo o ano a oportunidade da pessoa refugiada se candidatar para um curso de graduação.  A seleção destina-se aos cursos técnicos, tecnológicos e de graduação da universidade. Será reservado o percentual de até 5% do número total de vagas de cada curso, mediante a aprovação do respectivo colegiado de curso.

Para concorrer às vagas, serão admitidos migrantes em situação de vulnerabilidade ou refugiados(as) que tenham concluído estudos de ensino médio ou equivalente no país de envio (ou em outro país onde residiram). Também serão admitidos(as) como candidatos(as) aqueles migrantes ou refugiados(as) que tenham sido impossibilitados de dar continuidade ao ensino técnico ou superior no país de envio (ou em outro país onde residiram), pelo motivo da migração, ou que já tenham concluído tais estudos equivalentes e não lhe seja de interesse a revalidação de diploma.

Para mais informações, acesse o site.